4   DISCUSSÃO

Analisando a teoria apresentada pode-se perceber a infinidade de aspectos que está por trás de uma simples embalagem. Quando a vemos nas gôndolas de um supermercado ou loja, nem passa pelas nossas cabeças todo o processo realizado para fazer essa embalagem chegar até os consumidores.

São inúmeros testes, com cores, formas, desenhos, design, composições e diagramações diferentes, além de vários profissionais envolvidos no projeto, até se chegar na arte final. Quando o público-alvo são as crianças a definição de uma embalagem eficiente se torna mais complexa.

No mundo globalizado, as crianças tem um estilo de vida muito diferente que alguns anos atrás. Uma criança de 5 anos já utiliza computador e até mesmo internet. Isso faz com que o papel da criança na família se transforme. As crianças estão cada vez mais autoritárias e exigentes, e é através desse comportamento que elas tem influenciado de forma gritante o comportamento de compra da família. Pode-se perceber através da pesquisa aplicada que o grau de influência aumenta dependendo do tipo de produto em que a criança é exposta, uns menos e outros mais.

Conforme o resultado da pesquisa aplicada, os produtos que mais influenciam as crianças por causa da embalagem são os brinquedos, logo seguido pelos alimentos. Um aspecto interessante observado nessa pesquisa é que nos questionários aplicados aos pais das crianças de 5 e 6 anos, o material escolar e suas diferentes embalagens não chamam a atenção delas. Já o público de 7 e 8 e os de 9 e 10 anos se mostraram muito mais influenciados pelas embalagens de material escolar.

As vezes pensamos que as crianças nessa faixa etária não tem interesse de ir as compras com os pais, mas a pesquisa provou o contrário, onde 91% dos pais disseram que elas gostam de ir as compras com eles. Um ponto observado na pesquisa, é que 80% do público de 5 e 6 anos participam das compras ajudando  seus pais a colocarem qualquer item no carrinho,  e 84% das de 7 e 8 anos  também tem essa iniciativa. Mas o público de 9 e 10 anos, se negou a ajudar seus pais nas compras, só se manifestando nas coisas que os interessam. Talvez esse resultado possa ser explicado pela idéia de Karsaklian (2000), onde, diz que na idade de 9 e 10 anos as crianças são criticas, competitivas e intolerantes. Mostram-se com alta auto-estima e desejo de mantê-la.

Na pesquisa, 92% dos pais disseram que as vezes eles atendem os desejos de seus filhos e compram o que eles querem mesmo não querendo levar o produto naquele dia, só 5% dos pais disseram que eles nunca são convencidos por seus filhos, e por fim, só 3% disseram que sempre satisfazem as vontades das crianças mesmo não querendo.

Karsarklian (2000), diz que a embalagem desempenha um papel fundamental, pois é ela que veicula as personagens, os nomes, o logotipo, as cores e todos os demais fatores que chamam a atenção das crianças.

Em 94% dos casos ficou constatado que a embalagem tem o poder de chamar a atenção do público infantil.

Todas as crianças analisadas,deixaram muito claro que, embalagens que oferecem brindes, como brinquedos e figurinhas são as que mais influenciam seus filhos, bem como o uso de desenhos de personagens infantis que eles gostam. Os demais fatores ressaltados na pesquisa como a cor, a forma, logotipo e descrição da qualidade e benefícios do produto, pouco interessam para as crianças. Esse resultado  tem uma ligação com a citação de Mestriner (2002), que diz que as formas, cores, imagem, design, logotipo, composição e diagramação, são de extrema importância e devem ser levadas em consideração na hora de se criar uma embalagem.

Vamos citar alguns produtos citados pelos pais no questionário, que segundo eles, já influenciaram ou influenciam seus filhos só por causa da embalagem.

São eles: Miojo da Mônica, iorgute, Nescal cereal, Kinder ovo, bonecas (rebeldes e barbie), Sucrilhos, danoninho, imagens contidas na capa dos cds de vídeo game, biscoitos (trakinas, e o dos carros), Suco (Kapo), brinquedos que tenham desenhos de super heróis, caderno de capa dura (Hello Kity, poly, moranguinho, meninas super poderosas), elma chipis (cheetoos, batata da onda), caixa de bombons, salgadinhos com brindes, tatuagem ou figurinhas, mochilas e bolsinhas que tenham  desenho de personagens de desenhos,Lápis de cor (sítio do pica-pau amarelo), chiclete língua azul, sandálias da Hot Wheels e com brindes, agendas, álbum de figurinha, tênis de super heróis,etc. Esses são somente alguns exemplos de produtos que os pais entrevistados se lembraram na hora de responder o questionário, e que estão no mercado  exercendo uma forte influência sobre o público infantil de um modo geral.

Aconteceu algo muito interessante em um dos questionários aplicados e que eu gostaria de relatar nessa discussão. Um pai escreveu da seguinte maneira na última pergunta: Estas propagandas são um caso sério na vida dos pais.

Uma reportagem que passou nos jornais a pouco tempo é justamente sobre essa frase citada por esse pai de aluno. O Conar (conselho nacional de auto-regulamentação publicitária), estabeleceu algumas leis para diminuir os impactos da propaganda no público infantil. Um consumidor mais bem informado e um anunciante mais preocupado com o bem estar de seu público, é a intenção do Conar. As novas regras para anúncios de comidas e bebidas e propagandas voltadas para o público infanto-juvenil são: crianças e adolescentes não podem aparecer nos anúncios recomendando os produtos, as frases como peça pra mamãe comprar ou faça como eu use tal produto, estão fora das normas estabelecidas pelo Conar, as propagandas de comidas e bebidas não devem encorajar o consumo excessivo nem menosprezar a alimentação saudável, os produtos não podem ser apresentados como substitutos das refeições, anúncios devem informar se o produto é diet, light de acordo com a licença, os anunciantes vão promover campanhas de incentivo a atividades físicas e alimentação balanceada.

Quem não seguir essas normas pode ter o anúncio suspenso pelo próprio Conar, mas, basta saber se os anunciantes vão respeitar ou se vão continuar agindo como querem.

O público infantil merece o mesmo respeito que os adultos e os anunciantes tem que entender isso.

A embalagem fala pelo produto, diz quem ele é, o que ele faz e trás de benefício. Imaginem se não existisse esse poderoso componente de produto.Vamos imaginar se todos os produtos fossem armazenados em sacos plásticos sem escrita ou mesmo em caixas de papelão pardo sem nenhuma escrita.  O custo das embalagens seria bem baixo para as empresas, mas em compensação não teríamos como escolher e decidir qual é a melhor opção e seria necessário uns 10  vendedores em cada corredor do ponto de venda.

Ao usar este artigo, mantenha os links e faça referência ao autor:
A Influência Das Embalagens No Comportamento Das Crianças publicado 30/10/2006 por Felipe Flávio Lucas Couto em http://www.webartigos.com
Fonte: http://www.webartigos.com/articles/606/4/A-Influencia-Das-Embalagens-No-Comportamento-Das-Criancas/pagina4.html#ixzz10qXOjm27

Categories:
O Que Achou?: 

0 Response for the "A Influência das Embalagens no Comportamento das Crianças"

Postar um comentário

    Rádio Mundo Propagare

    Love Rock

    Sobre

    Minha foto
    Sou estudante de publicidade na Unip - Sorocaba, amo o que eu faço e faço com prazer. Já trabalhei em agência de publicidade e propaganda no setor de criação. Bom pessoal é isso, com o tempo vou postando mais coisas no blog e vocês vão me conhecendo um pouco mais.

    Total de visualizações

    Visitantes

    Seguidores